Guias & Tutoriais DBC Oxigênio » Guias sobre Gases Industriais http://guias.oxigenio.com Tue, 31 Mar 2015 12:07:03 +0000 pt-BR hourly 1 http://wordpress.org/?v=4.2.17 Oxigêniohttp://guias.oxigenio.com/oxigenio http://guias.oxigenio.com/oxigenio#comments Mon, 07 Apr 2014 22:00:02 +0000 http://guias.oxigenio.com/?p=60 O oxigênio representa aproximadamente 20% da composição da atmosfera terrestre. É um elemento químico de símbolo O, número atômico 8 (8 prótons e 8 elétrons) com massa atômica 16 u. É essencial na química orgânica, participando de maneira relevante no ciclo energético dos seres vivos,...

The post Oxigênio appeared first on Guias & Tutoriais DBC Oxigênio.

]]>
Concentrador de Oxigênio

Aparelho de uso doméstico para concentração de oxigênio, utilizado no tratamento de pacientes com enfisema. O modelo mostrado na foto é o DeVILBISS LT 4000.

O oxigênio representa aproximadamente 20% da composição da atmosfera terrestre. É um elemento químico de símbolo O, número atômico 8 (8 prótons e 8 elétrons) com massa atômica 16 u.

É essencial na química orgânica, participando de maneira relevante no ciclo energético dos seres vivos, sendo essencial na respiração celular dos organismos aeróbicos. Um átomo de oxigênio combinado com dois de hidrogênio forma uma molécula de água.

Na sua forma molecular, O2, é um gás a temperatura ambiente, incolor, insípido, inodoro, comburente, mas não combustível e pouco solúvel em água.

Existe, também, uma forma molecular formada por três átomos de oxigênio, O3, denominada ozônio, cuja presença na atmosfera protege a Terra da incidência de radiação ultravioleta procedente do Sol.

Estrutura Molecular
O oxigênio diatômico (O2) é um gás em condições padrão.O ozônio (O3) é um gás raro, encontrado principalmente na estratosfera.
O oxigênio diatômico (O2) é um gás em condições padrão.O ozônio (O3) é um gás raro, encontrado principalmente na estratosfera.

Características principais

Nas condições normais de pressão e temperatura o oxigênio se encontra no estado gasoso formando moléculas diatômicas de formula O2. É formado durante a fotossíntese das plantas e, posteriormente utilizado pelos animais na respiração. O oxigênio líquido e sólido tem uma ligeira coloração azulada e,em ambos os estados, é muito paramagnético. O oxigênio líquido se obtém usualmente a partir da destilação fracionada do ar líquido, junto com o nitrogênio. Reage praticamente com a totalidade dos metais, exceto com os metais nobres como ouro, platina e outros, provocando a corrosão. É incolor. O oxigênio tem três isótopos estáveis e dez radioativos. Todos os radioisótopos do oxigênio tem uma meia-vida de menos de três minutos.

Compostos

Sua alta eletronegatividade o faz reagir com quase qualquer elemento químico excetuando alguns poucos gases nobres.
O composto mais notável do oxigênio é a água (H2O). Outros compostos importantes de oxigênio também são bem conhecidos como o dióxido de carbono, os alcoóis (R-OH), aldeídos, (R-CHO), e ácidos carboxílicos (R-COOH).
Os radicais clorato (ClO3), perclorato (ClO4), cromato (CrO42-), dicromato (Cr2O72-), permanganato (MnO4) e nitrato (NO3) são fortes agentes oxidantes. Os Epóxidos são éteres na qual o átomo de oxigênio é um hétero-tomo.
O Ozônio (O3) se forma mediante descargas elétricas a partir do oxigênio molecular (durante as tormentas elétricas, por exemplo).
No oxigênio líquido já foi encontrado, em pequenas quantidades, uma dupla molécula de oxigênio: (O2)2.

Características principais
NomeOxigênio
SímboloO
Número Atômico8
ClasseNão-metal
Série QuímicaRepresentativo (Calcogênico)
Grupo16 (VIA)
Período2
BlocoP
Densidade1,429 km/m³ (273K)
Dureza(ND)
Aparência e CorIncolor
02
Propriedades Atômicas
Massa Atômica15,994(3) u
Configuração Eletrônica[He]2s22p4
Estado de Oxidação (Óxido)-2, -1 (neutro)
Raio Atômico (Calculado)60 (48) pm
Raio Covalente73 pm
Raio de van der Waals152 pm
Elétrons por nível de energia2, 6
Estrutura CristalinaCúbica
Propriedades Físicas
Ponto de Fusão50,35 K (-222,8 °C)
Ponto de Ebulição90,18 K (-182,97 °C)
Volume Molar17,36 × 10-6 m3/mol
Pressão de VaporIndefinida
Velocidade do Som317,5 m/s (293 K)
Entalpia de Vaporização3,4099 kJ/mol
Entalpia de Fusão0,22259 kJ/mol
Estado da MatériaGás (paramagnético)
Características Diversas
1º Potencial de Ionização1313,9 kJ/mol
2º Potencial de Ionização3388,3 kJ/mol
3º Potencial de Ionização5300,5 kJ/mol
4º Potencial de Ionização7469,2 kJ/mol
Condutividade ElétricaIndefinida
Condutividade Térmica0,02674 W/m*K
Eletronegatividade3,44 (Escala de Pauling)
Calor Específico920 J/kg*K
Isótopos Mais Estáveis
isoANmeia-vidaMDED (MeV)PD
16O99,762%estável com 8 nêutrons
17O0,038%estável com 9 nêutrons
18O0,2%estável com 10 nêutrons
Unidades SI e CNPT, exceto onde indicado o contrário

Oxigênio e sua História

O elemento oxigênio foi descoberto pelo farmacêutico sueco Carl Wilhelm Scheele em 1771, porém o seu trabalho não obteve reconhecimento imediato. Muitos atribuem a Joseph Priestley o seu descobrimento, que ocorreu independentemente em 1 de agosto de 1774.

O nome oxigênio foi dado por Lavoisier em 1774 após ter observado que existiam muitos ácidos que continham oxigênio.

Pais do Oxigênio
promo_soldagem_600x160oxigenio 6oxigenio 7
Joseph Priestley é aceito pela maioria como descobridor do oxigênio.Carl Wilhelm Scheele descobriu o oxigênio antes de Priestley, mas como publicou sua descoberta anos mais tarde, perdeu os créditos.Antoine Lavoisier, responsável pelo nome do elemento.

Abundância e Obtenção

É o elemento mais abundante da crosta terrestre (estimado em 46,7%) e, dos oceanos (em torno de 87% como componente da água). É o segundo em abundância na atmosfera (cerca de 20%). Os óxidos de metais, silicatos (SiO44-) e carbonatos (CO32-) são encontrados com freqüência em rochas e no solo. Na atmosfera existe como oxigênio molecular, O2, dióxido de carbono (CO2) e, em menor proporção como monóxido de carbono (CO), ozônio (O3), dióxido de nitrogênio (NO2), monóxido de nitrogênio (NO), dióxido de enxofre (SO2) e outros.

Nos planetas exteriores mais afastados do Sol e em cometas se encontra água congelada e outros compostos de oxigênio. Por exemplo, no planeta Marte há dióxido de carbono congelado. O espectro deste elemento também foi detectado em algumas poucas estrelas.

A obtenção é feita a partir da destilação fracionada por baixa temperatura do ar atmosférico (criogenia). No mesmo processo são obtidos o nitrogênio e o argônio.

Ação Biológica

O oxigênio respirado pelos organismos aeróbicos, liberado pelas plantas no processo de fotossíntese, participa na conversão de nutrientes em energia intracelular.

A redução do nível de oxigênio provoca a hipoxemia e, a falta total ocasiona a anoxia, podendo provocar a morte do organismo.

A hemoglobina é o pigmento que dá a cor aos glóbulos vermelhos (eritrócitos) e tem a função vital de distribuir o oxigênio pelo organismo.

Precauções

O oxigênio pode ser tóxico a elevadas pressões parciais.

Alguns compostos de oxigênio como o ozônio, o peróxido de hidrogênio e radicais hidroxila são muito tóxicos. O corpo humano desenvolveu mecanismos de proteção contra estas espécies tóxicas. Por exemplo, a glutación atua como antioxidante, como a bilirrubina que é um produto derivado do metabolismo da hemoglobina.

As atmosferas ricas em oxigênio, em presença de materiais combustíveis, são suscetíveis de provocar incêndios que se propagam com grande rapidez, podendo provocar explosões. Do mesmo modo, pode ocorrer quando existem fontes de oxigênio como cloratos, percloratos, dicromatos e outros. Estes compostos com alto poder oxidante podem, também, provocar queimaduras químicas.

Aplicações

A principal utilização do oxigênio é como oxidante devido a sua elevada eletronegatividade, superada somente pela do flúor. Por isso, o oxigênio líquido é usado como comburente nos motores de propulsão dos foguetes, apesar de que nos processos industriais o oxigênio para a combustão é obtido diretamente do ar.

Outras aplicações industriais são na soldadura e na fabricação de aço e metanol.

A medicina usa o oxigênio administrando-o como suplemento em pacientes com dificuldades respiratórias.

Também é engarrafado para ser respirado em diversas práticas desportivas como, por exemplo, o submarinismo ou em atividades profissionais para acessar a locais de pouca ou nenhuma ventilação ou em atmosferas contaminadas. O oxigênio provoca uma resposta de euforia quando inalado. No século XIX era utilizado misturado com o óxido nitroso como analgésico.

Atualmente, esta mistura ressurgiu para evitar a dor em tratamentos dentários. O Oxigênio-15, radioativo com emissão de pósitron é usado no exame PET do cérebro em medicina nuclear.

The post Oxigênio appeared first on Guias & Tutoriais DBC Oxigênio.

]]>
http://guias.oxigenio.com/oxigenio/feed 0
CO2http://guias.oxigenio.com/co2 http://guias.oxigenio.com/co2#comments Mon, 07 Apr 2014 21:55:24 +0000 http://guias.oxigenio.com/?p=143 O dióxido de carbono é constituído estruturalmente por moléculas de geometria linear e de caráter apolar. Por isso as atrações intermoleculares são muito fracas, tornando-o, nas condições ambientais, um gás. Daí o seu nome comercial gás carbônico. Anidrido carbônico ou gás carbônico é um composto...

The post CO2 appeared first on Guias & Tutoriais DBC Oxigênio.

]]>
O dióxido de carbono é constituído estruturalmente por moléculas de geometria linear e de caráter apolar. Por isso as atrações intermoleculares são muito fracas, tornando-o, nas condições ambientais, um gás. Daí o seu nome comercial gás carbônico.

Anidrido carbônico ou gás carbônico é um composto químico constituído por dois átomos de oxigênio e um átomo de carbono. A representação química é CO2. O dióxido de carbono foi descoberto pelo escocês Joseph Black em 1754.

co2 1

Laser de dióxido de carbono

O carbono é um elemento básico na composição dos organismos, tornando-o indispensável para a vida no planeta. Este elemento é estocado na atmosfera, nos oceanos, solos, rochas sedimentares e está presente nos combustíveis fósseis (petróleo, carvão mineral e gás natural). Contudo, o carbono não fica fixo em nenhum desses estoques. Existe uma série de interações por meio das quais ocorre a transferência de carbono de um estoque para outro (fluxos). Muitos organismos nos ecossistemas terrestres e nos oceanos, como as plantas, absorvem o carbono encontrado na atmosfera na forma de dióxido de carbono (CO2). Esta absorção se dá através do processo de fotossíntese. Por outro lado, os vários organismos, tanto plantas como animais, liberam dióxido de carbono para a atmosfera mediante o processo de respiração. Existe ainda o intercâmbio de dióxido de carbono entre os oceanos e a atmosfera por meio da difusão.

O dióxido de carbono é essencial à vida no planeta. Visto que é um dos compostos essenciais para a realização da fotossíntese – processo pelo qual os organismos fotossintetizantes transformam a energia solar em energia química. Esta energia química, por sua vez é distribuída para todos os seres vivos por meio da teia alimentar. Este processo é uma das fases do ciclo do carbono e é vital para a manutenção dos seres vivos.

Nas últimas décadas, devido à enorme queima de combustíveis fósseis, a quantidade de gás carbônico na atmosfera tem aumentado muito, contribuindo para o aquecimento do planeta.

A liberação de dióxido de carbono via queima de combustíveis fósseis e mudanças no uso da terra (desmatamentos e queimadas, principalmente) impostas pelo homem constituem importantes alterações nos estoques naturais de carbono e tem um papel fundamental na mudança do clima do planeta. Isto porque – depois do vapor d água – o CO2 é o gás do efeito estufa que mais contribui para o aquecimento global.

O excesso de dióxido de carbono que atualmente é lançado para a atmosfera resulta da queima de combustíveis fósseis principalmente pelo setor industrial e de transporte. Além disso, reservatórios naturais de carbono e os sumidouros (ecossistemas com a capacidade de absorver CO2) também estão sendo afetados por ações antrópicas. No caso das florestas, um estoque natural de carbono, o desmatamento e as queimadas estão contribuindo para o aumento do efeito estufa, uma vez que liberam principalmente CO2 para a atmosfera. O desmatamento e o uso da terra contribui com aproximadamente 1 (MACKENZIE,1995) a 2 Pg C ano-1 (HOUGTON et al.1987). Devido o solo possuir um estoque 2 a 3 vezes maior que a atmosfera, mudanças no suo do solo podem ser importante fonte de carbono para a atmosfera (WOODWEL,1989,DAVIDSON e TRUMBORE, 1995).

A concentração de CO2 na atmosfera começou a aumentar no final do século XVIII, quando ocorreu a revolução industrial, a qual demandou a utilização de grandes quantidades de carvão mineral e petróleo como fontes de energia. Desde então, a concentração de CO2 passou de 280 ppm (partes por milhão) no ano de 1750, para os 368 ppm atuais, representando um incremento de aproximadamente 30%. Este acréscimo na concentração de CO2 implica no aumento da capacidade da atmosfera em reter calor e, conseqüentemente, da temperatura do planeta. As emissões de CO2 continuam a crescer e, provavelmente, a concentração deste gás poder alcançar 550 ppm por volta do ano 2100.

Riscos

  • Ingerido em excesso pode causar irritações, náuseas, vômitos e hemorragias no trato digestivo. Inalado produz muita asfixia.extintor2 transparente
  • O gelo seco em contato com a pele causa queimaduras.
  • Acarreta fenômenos como efeito-estufa, ilhas de calor, inversão térmica, smog fotoquímico.

Aplicações

  • O CO2 é utilizado em bebidas (bebidas carbonatadas) para dar-lhes efervescência.
  • É utilizado em extintores durante os incêndios para isolar o oxigênio do combustível.
  • É utilizado em butijas para a prática de Paintball.
Modelo espacial e fórmula estrutural
co2 2 co2 3
Nomes comunsAnidrido carbônico
Gás carbônico
Gelo seco (quando em estado sólido)
Nome IUPACDióxido de carbono
Aparênciagás incolor
Fórmula químicaCO2
Número CAS124-38-9
Características físicas
Solubilidade0,145 g/100ml de água
Densidade1,6 ×103 kg/m3 (sólido)
1,98 kg/m3 (gás a 298 K)
Massa molecular44,0 um
Ponto de fusão216 K (-57 °C) (pressurizado)
Ponto de ebuliçãosublima a 195 K (-78 °C)
Termoquímica
S0gás213,79 J·mol-1·K-1
S0sólido? J·mol-1·K-1
ΔfH0gas-393,52 kJ/mol
ΔfH0sólido? kJ/mol
Informações sobre segurança
OlhosPode levar a cegueira.
PeleGelo seco pode ocasionar ulcerações.
IngestãoPode causar náusea, vômitos, hemorragia gastrointestinal.
InalaçãoAsfixia (sufocamento), causa hiperventilação.
Frases de Risco e SegurançaR: –
S:9, 23
Unidades do SI são usadas quando possível. Salvo quando especificado o contrário, são considerados condições normais de temperatura e pressão.

The post CO2 appeared first on Guias & Tutoriais DBC Oxigênio.

]]>
http://guias.oxigenio.com/co2/feed 0
Hidrogêniohttp://guias.oxigenio.com/hidrogenio http://guias.oxigenio.com/hidrogenio#comments Mon, 07 Apr 2014 21:50:49 +0000 http://guias.oxigenio.com/?p=201 É o elemento químico mais abundante do Universo, existindo nas estrelas em grande quantidade no estado de plasma. Na temperatura ambiente é um gás diatômico (H2) inflamável, incolor, inodoro, insípido e insolúvel em água, pertencente ao grupo (ou família) 1 (anteriormente chamada 1A). Aparece também em...

The post Hidrogênio appeared first on Guias & Tutoriais DBC Oxigênio.

]]>
Tabela Periódica

Tabela Periódica

É o elemento químico mais abundante do Universo, existindo nas estrelas em grande quantidade no estado de plasma.

Na temperatura ambiente é um gás diatômico (H2) inflamável, incolor, inodoro, insípido e insolúvel em água, pertencente ao grupo (ou família) 1 (anteriormente chamada 1A).

Aparece também em milhões de substâncias, como por exemplo na água e nos compostos denominados orgânicos, e é capaz de reagir com a maioria dos elementos. O hidrogênio é um elemento químico de símbolo H, número atômico 1 (1 próton e 1 elétron) e com massa atômica 1 u.

O núcleo do isótopo mais abundante é formado por um único próton e nenhum nêutron. Entretanto, existem outros dois isótopos: o deutério, que tem um nêutron e o trítio que tem dois. Em 2001 foi criado em laboratório o isótopo 4H e, a partir de 2003, foram sintetizados os isótopos 5H até 7H.

Obtenção

Em laboratório é obtido mediante a reação de ácidos com metais como o zinco e industrialmente pelo processo da eletrólise da água, entretanto, os pesquisadores estão investigando outros métodos como a intervenção de algas verdes para a obtenção do hidrogênio. O hidrogênio é empregado na produção de amoníaco, como combustível alternativo, e recentemente, para o fornecimento de energia às células de combustíveis.

O hidrogênio é o elemento químico mais leve, possuindo o seu isótopo mais abundante um único par próton-elétron. Nas condições normais de pressão e temperatura forma um gás diatômico, H2 com um ponto de ebulição de 20,27 K (-252,88 °C) e um ponto de fusão de 14,02 K (-259,13 °C). Submetidas a alta pressão, tal como ocorre no núcleo das estrelas gigantes gasosas, as moléculas mudam sua natureza e o hidrogênio se torna um líquido metálico. Quando submetido a pressão muito baixa, como no espaço, o hidrogênio tende a existir na forma de átomos individuais, simplesmente porque é muito pequena a probabilidade de que se combinem, entretanto, quando isso acontece podem formar nuvens de H2 que se associam para a criação das estrelas.

Esse elemento tem uma função fundamental no universo, já que através da fusão estelar (combinação de átomos de hidrogênio resultando átomos de hélio) ocorre liberação de uma imensa quantidade de energia.

Características gerais
Nome, símbolo, númeroHidrogênio, H, 1
Série químicaNão-metal
Grupo, período, bloco1 (IA), 1 , s
Densidade, dureza0,0899 kg/m3, não apresenta
Aparência e corincolor
hidrogenio4
Propriedades atômicas
Massa atômica1,00794(7) u
Configuração eletrônica1s1
Elétrons por nível de energia1
Estado de oxidação (óxido)1 (anfótero)
Raio de van der Waals120 pm
Raio atômico (calculado)25(53) pm
Raio covalente37 pm
Estrutura cristalinahexagonal
Propriedades físicas
Ponto de fusão14,025 K (-259,2 °C)
Ponto de ebulição20,268 K (-252,8 °C)
Estado da matériagasoso
Volume molar11,42 ×10-6 m3/mol
Pressão de vapor209 Pa a 23 K
Velocidade do som1270 m/s a 298,15 K
Entalpia de vaporização0,44936 kJ/mol
Entalpia de fusão0,05868 kJ/mol
Informações diversas
Potencial de ionização1312 kJ/mol
Eletronegatividade2,2 (Escala de Pauling)
Calor específico14304 J/(kg*K)
Condutividade elétrica__ 106/m ohm
Condutividade térmica0,1815 W/(m*K)
Isótopos mais estáveis
isoANmeia-vidaMDED (MeV)PD
1H
99,985%H é isótopo estável com 0 nêutrons
2H
0,015%H é estável com 1 nêutron
3Hsintético12,33 anosβ0,019³He
4Hsintético9,93 · 10-23 sn2,910³H
Unidades SI e CNTP exceto onde indicado o contrário

Hidrogênio e suas aplicações

O hidrogênio pode ser usado em motores de combustão interna. Uma frota de automóveis com motores deste tipo é mantida na atualidade pela Chrysler-BMW. Afinal, as células de combustível em desenvolvimento parecem que serão capazes de oferecer uma alternativa limpa e econômica aos motores de combustão interna.

Industrialmente são necessárias grandes quantidades de hidrogênio, principalmente no processo de Haber para a obtenção de amoníaco, na hidrogenação de graxas e azeites e na obtenção de metanol. Outros usos que podem-se citar são:

  • Produção de ácido clorídrico, combustível para foguetes, e redução de minerais metálicos.
  • O hidrogênio líquido apresenta aplicações criogênicas, incluindo a investigação da supercondutividade.
  • Devido à sua leveza era usado como gás de enchimento de balões e dirigíveis; após o desastre do dirigível Hindenburg abandonou-se em parte seu uso devido à sua grande inflamabilidade, mas continua a ser usado em lançamento de balões meteorológicos estratosféricos.
  • O trítio é produzido nas reações nucleares e é empregado na construção de bombas de hidrogênio. Também se utiliza como fonte de radiação em pinturas luminosas e como marcador nas ciências biológicas.
  • O deutério possui aplicações nucleares como moderador, como constituinte da água pesada.

História

O hidrogênio (do francês Hydrogène, do grego hydros, água e gennein, gerar) foi reconhecido como um elemento químico em 1766 por Henry Cavendish; mais tarde Antoine Lavoisier daria o nome pelo qual o conhecemos.

Abundância e obtenção

O hidrogênio é o elemento mais abundante, constituindo 75% da massa e 90% dos átomos do universo. Encontra-se em abundância nas estrelas e nos planetas gigantes gasosos, entretanto, na atmosfera terrestre é encontrado numa quantidade pequena, aproximadamente de 1 ppm em volume.

Uma fonte comum de hidrogênio é a água, composta por dois átomos de hidrogênio e um de oxigênio (H2O), porem a fonte mais importante são as substâncias formadas principalmente de carbono e hidrogênio que são os compostos orgânicos, incluindo todas as formas de vida conhecidas, os combustíveis fósseis e o gás natural. O metano, produto da decomposição orgânica, está adquirindo uma crescente importância como fonte de hidrogênio.

O hidrogênio pode ser obtido de várias formas:

  • Eletrólise da água; atualmente se investiga a fotólise da água (4% da produção mundial).
  • Reação de hidrocarbonetos com vapor de água (96% da produção mundial).
  • Ataque de metais com hidróxido de sódio, potássio.
  • Ataque de metais (Zn e Al) com ácidos sulfúrico ou clorídrico.

Compostos

O hidrogênio tem uma eletronegatividade intermediária (2,2) podendo formar compostos com elementos de maior ou menor caráter metálico. Tanto com os elementos metálicos dos grupos 1|1 (1A) e 2|2 (2A) como com os elementos ametálicos dos grupos 15|15 (5A), 16|16 (6A) e 17|17 (7A) forma hidretos. Nos hidretos metálicos está presente na forma de H e nos ametálicos está presente como íon H+, por que estes últimos tem caráter ácido.

Alguns compostos binários do hidrogênio são amoníaco (NH3), hidrazina (N2H4), água (H2O), água oxigenada (H2O2), sulfeto de hidrogênio (H2S), etc.

Com o carbono (elemento do grupo 14 (4A)) forma uma imensa quantidade de compostos, os hidrocarbonetos e derivados que são o objeto de estudo da química orgânica.

Precauções

Explosão do hidrogênio no Hindenburg

Explosão do hidrogênio no Hindenburg

O hidrogênio é um gás extremamente inflamável no ar (essa probabilidade de se inflamar situa-se entre 4% e 75% por volume de ar).

A energia necessária para inflamá-lo é muito pequena e em alguns casos, pode ocorrer auto-inflamação. Reage violentamente com o flúor e o cloro, especialmente com o primeiro, com o qual a reação é tão rápida e imprevisível que não se pode controlar. Também é perigosa sua despressurização rápida, já que diferentemente dos outros gases, a sua expansão acima de -40°C ocorre com aquecimento, podendo inflamar-se.

O hidrogênio se queima no ar com uma chama muito quente e quase invisível. A chama emite um calor muito pouco radiante e por isso mesmo não indica sua existência.

O hidrogênio pode se difundir rapidamente através de materiais e sistemas que estejam presentes no ar ou em outros gases comuns. Com alguns materiais, a difusão é mais pronunciada com temperaturas muito altas.

A energia necessária para a ignição de uma mistura hidrogênio-ar de apenas 0,04 mJ, contra 0,25 mJ dos hidrocarbonetos.

Isótopos

Prótio, deutério e trítio

Prótio, deutério e trítio

O isótopo mais comum do hidrogênio não possui nêutrons, existindo outros dois, o deutério (D) com um e o trítio (T), radioativo com dois. O deutério tem uma abundância natural compreendida entre 0,0184 e 0,0082% (IUPAC).

O hidrogênio é o único elemento químico que tem nomes e símbolos químicos distintos para seus diferentes isótopos.

Lançamento da nave americana ATLANTIS, movida a hidrogênio líquido

 

Abastecimento de um carro BMW, movido a Hidrogênio

 

The post Hidrogênio appeared first on Guias & Tutoriais DBC Oxigênio.

]]>
http://guias.oxigenio.com/hidrogenio/feed 0
Acetilenohttp://guias.oxigenio.com/acetileno http://guias.oxigenio.com/acetileno#comments Mon, 07 Apr 2014 21:45:52 +0000 http://guias.oxigenio.com/?p=117 O acetileno é um gás incolor, de odor desagradável que se liquefaz à temperatura de -83 ºC e solidifica a -85 ºC. É armazenado em cilindros de aço, sob pressão, dissolvido em acetona. É muito instável; sob pequenas compressões se decompõe com muita facilidade liberando...

The post Acetileno appeared first on Guias & Tutoriais DBC Oxigênio.

]]>
O acetileno é um gás incolor, de odor desagradável que se liquefaz à temperatura de -83 ºC e solidifica a -85 ºC. É armazenado em cilindros de aço, sob pressão, dissolvido em acetona. É muito instável; sob pequenas compressões se decompõe com muita facilidade liberando energia.

O acetileno, é um hidrocarboneto da classe dos alcinos. É o alcino mais simples, constituído por dois carbonos e dois hidrogênios (C2H2) . Os dois átomos de carbono estão ligados através de uma tripla ligação.

Estrutura do gás acetileno.

Estrutura do gás acetileno.

O acetileno foi descoberto por Edmund Davy em 1836 na Inglaterra. Berthelot foi o primeiro a sintetizá-lo através de um arco voltaico produzido entre eletrodos de grafite envolvidos numa atmosfera de hidrogênio:

 

planta de acetileno 85 x 115

2 C + H2 -> C2H2

Os alcanos maiores do petróleo e gás natural são quebrados (através de craqueamento) em moléculas menores. Estas moléculas são desidrogenadas em elevadas temperaturas.

C2H6 -> C2H2 + 2 H2

Um processo em ascendência atualmente devido às novas tecnologias em catalisadores e as pesquisas na área.

Soldagem com maçarico de Oxigênio + Acetileno

 

Corte de chapa utilizando maçarico de corte com Oxigênio + Acetileno

 

Soldagem com Oxigênio + Acetileno

The post Acetileno appeared first on Guias & Tutoriais DBC Oxigênio.

]]>
http://guias.oxigenio.com/acetileno/feed 0
Nitrogêniohttp://guias.oxigenio.com/nitrogenio http://guias.oxigenio.com/nitrogenio#comments Mon, 07 Apr 2014 21:40:13 +0000 http://guias.oxigenio.com/?p=172 Nas condições ambientes (25 °C e 1 atm) o nitrogênio é encontrado no estado gasoso, obrigatoriamente em sua forma molecular biatômica (N2), formando cerca de 78% do ar atmosférico. Além do nome nitrogênio, é chamado ainda de azoto em países que seguem o português europeu....

The post Nitrogênio appeared first on Guias & Tutoriais DBC Oxigênio.

]]>
Nas condições ambientes (25 °C e 1 atm) o nitrogênio é encontrado no estado gasoso, obrigatoriamente em sua forma molecular biatômica (N2), formando cerca de 78% do ar atmosférico.

Além do nome nitrogênio, é chamado ainda de azoto em países que seguem o português europeu. É um elemento químico com símbolo N, número atômico 7 e número de massa 14 (7 prótons e 7 nêutrons), representado no grupo (ou família) 15 (antigo 5A) da tabela periódica.

História

Considera-se que foi descoberto formalmente por Daniel Rutherford em 1772 ao determinar algumas de suas propriedades. Entretanto, pela mesma época, também se dedicaram ao seu estudo Scheele que o isolou, Cavendish, e Priestley. O nitrogênio é um gás tão inerte que Lavoisier se referia a ele como azote (ázoe), que é uma palavra francesa que significa “impróprio para manter a vida”. Alguns anos depois, em 1790, foi chamado de nitrogênio, por Chatpal.

Foi classificado entre os gases permanentes desde que Faraday não conseguiu torná-lo líquido a 50 atm e -110 ºC. Mais tarde, em 1877, Pictet e Cailletet conseguiram liquefazê-lo.

Alguns compostos de nitrogênio já eram conhecidos na Idade Média: os alquimistas chamavam de aqua fortis o ácido nítrico e aqua regia a mistura de ácido nítrico e clorídrico, conhecida pela sua capacidade de dissolver o ouro.

Molécula de nitrogênio (N2)

Molécula de nitrogênio (N2)

Características principais

Como elemento (N) tem uma elevada eletronegatividade (3 na escala de Pauling) e 5 elétrons no nível mais externo (camada de valência), comportando-se como íon trivalente na maioria dos compostos que forma. Condensa a aproximadamente 77 K (-196 ºC) e solidifica a aproximadamente 63 K (-210 ºC).

Ocorre como um gás inerte (N2), não-metal, incolor, inodoro e insípido, constituindo cerca de 4/5 da composição do ar atmosférico, não participando da combustão e nem da respiração.

Características principais
Nome, símbolo, númeroNitrogênio (Azoto), N, 7
Classe, série químicaNão-metal , representativo
(família do nitrogênio)
Grupo, período, bloco15 (VA), 2, p
Densidade, dureza 1,2506 kg/m3 (273K), (ND)
Aparência e corIncolorhidrogenio4
Propriedades atômicas
Raio atômico65 pm
Raio covalente75 pm
Raio de van der Waals155 pm
Estado de oxidação (óxido)±3,5,4,2 (fortemente ácido)
Estrutura cristalinahexagonal
Massa atômica14,0067(2) u
Configuração eletrônica[He]2s22p3
Elétrons por nível de energia2, 5
Propriedades físicas
Volume molar13,54×10-6 m3/mol
Ponto de fusão63,15 K (-210,15 ºC)
Ponto de ebulição77,35 K (-196,15 ºC)
Entalpia de vaporização2,7928 kJ/mol
Estado da matériagasoso
Entalpia de fusão0,3604 kJ/mol
Velocidade do som334 m/s (298,15 K ou 0 ºC)
Pressão de vapornão definida
Características diversas
1ª Potencial de ionização1402,3 kJ/mol
2ª Potencial de ionização2856 kJ/mol
3ª Potencial de ionização4578,1 kJ/mol
4ª Potencial de ionização7475 kJ/mol
5ª Potencial de ionização9444,9 kJ/mol
6ª Potencial de ionização53266,6 kJ/mol
7ª Potencial de ionização64360 kJ/mol
Condutividade elétricanão definida
Condutividade térmica0,02598 W/m*K
Eletronegatividade3,04 (escala de Pauling)
Calor específico1040 J/kg*K
Isótopos mais estáveis
isoANmeia-vidaMDED (MeV)PD
13NOsintéticoestável 9,965 minutosε2 20013C
14N99,634%estável
15N0,366%estável
Unidades SI e CNPT, exceto onde indicado o contrário

Abundância e obtenção

O nitrogênio é o componente principal da atmosfera terrestre (78,1% em volume). É obtido, para usos industriais, pela destilação do ar líquido. O elemento está presente na composição de substâncias excretadas pelos animais, usualmente na forma de uréia e ácido úrico.

Tem-se observado compostos que contêm nitrogênio no espaço exterior. O isótopo 14N se cria nos processos de fusão nuclear das estrelas.

Aplicações

A mais importante aplicação comercial do nitrogênio é na obtenção do gás amoníaco pelo processo Haber. O amoníaco é usado, posteriormente, para a fabricação de fertilizantes e ácido nítrico. É usado, devido a sua baixa reatividade, como atmosfera inerte em tanques de armazenamento de líquidos explosivos, durante a fabricação de componentes eletrônicos (transistores, diodos, circuitos integrados, etc.) e na fabricação do aço inoxidável. O nitrogênio líquido, obtido pela destilação do ar líquido, se usa em criogenia, já que na pressão atmosférica condensa a -196 ºC. Outra aplicação importante é o seu uso como fator refrigerante, para o congelamento e transporte de alimentos, conservação de corpos e células reprodutivas sexuais e femininos ou quaisquer outras amostras biológicas.

Entre os sais do ácido nítrico estão incluídos importantes compostos como o nitrato de potássio (nitro ou salitre empregado na fabricação de pólvora) e o nitrato de amônio como fertilizante.

Os compostos orgânicos de nitrogênio como a nitroglicerina e o Trinitrotolueno (TNT) são muito explosivos. A hidrazina e seus derivados são usados como combustível em foguetes.

Na medicina nuclear, o 13N (lê-se nitrogênio 13), radioativo com emissão de positron, é usado no exame PET.

Compostos

Com o hidrogênio forma o amoníaco (NH3) e a hidrazina (N2H4). O amoníaco líquido —anfótero como a água — atua como uma base em solução aquosa formando íons amônio (NH4+). O mesmo amoníaco comporta-se como um ácido em ausência de água, cedendo um próton a uma base, dando lugar ao ânion amida (NH2). Também se conhece largas cadeias e compostos cíclicos de nitrogênio, porém. são muito instáveis.

Com o oxigênio forma vários óxidos como o óxido nitroso (N2O) ou gás hilariante, o óxido nítrico (NO) e o dióxido de nitrogênio (NO2), estes dois últimos são representados genericamente por NOx e são produtos de processos de combustão, contribuindo para o aparecimento de contaminantes (smog fotoquímico). Outros óxidos são o trióxido de dinitrogênio (N2O3) e o pentóxido de dinitrogênio (N2O5), ambos muito instáveis e explosivos, cujos respectivos ácidos são o ácido nitroso (HNO2) e o ácido nítrico (HNO3) que, por sua vez, formam os sais nitritos e nitratos.

Ações biológicas

O azoto é o componente essencial dos aminoácidos e dos ácidos nucléicos, vitais para os seres vivos. As leguminosas são capazes de desenvolver simbiose com certas bactérias do solo chamadas de Rizóbios. Estas bactérias absorvem o azoto diretamente do ar, sendo este transformado em amoníaco que logo é absorvido pela planta. Na planta o amoníaco é reduzido a nitrito pela enzima nitrito redutase e logo em seguida é reduzido a nitrato pela enzima nitrato redutase. O nitrato é posteriormente utilizado pela planta para formar o grupo amino dos aminoácidos das proteínas que, finalmente, se incorporam à cadeia trófica. Um bom exemplo deste processo é observado na soja, sendo esta uma cultura que dispensa adubação nitrogenada.

Isótopos

Dos dez isótopos artificiais do nitrogênio (sintetizados em laboratório), o 13N tem uma vida média de nove minutos enquanto que os demais isótopos, da ordem de segundos ou menos.

As reações biológicas de nitrificação e desnitrificação contribuem, de maneira determinante, na dinâmica do azoto no solo, quase sempre produzindo um enriquecimento em 15N do substrato.

Há dois isótopos estáveis do azoto: 14N e 15N. O mais comum é o 14N, com uma abundância relativa de 99,634%, sendo o restante preenchido pelo 15N. No universo, o 14N é produzida pelo ciclo carbono-azoto das estrelas.

Precauções

Os fertilizantes azotados são uma poderosa fonte de contaminação do solo e das águas. Os compostos que contêm íons cianeto formam sais extremadamente tóxicos e são mortais para numerosos animais, entre os quais os mamíferos.

Utilizando nitrogênio para retirar umidade de ar condicionado automotivo

 

Carro com suspensão ativa a nitrogênio

The post Nitrogênio appeared first on Guias & Tutoriais DBC Oxigênio.

]]>
http://guias.oxigenio.com/nitrogenio/feed 0
Héliohttp://guias.oxigenio.com/helio http://guias.oxigenio.com/helio#comments Mon, 07 Apr 2014 21:35:41 +0000 http://guias.oxigenio.com/?p=341 O hélio é um gás incolor e inodoro, monoatômico em condições normais de pressão e temperatura, tornando-se líquido somente em condições extremas (de alta pressão e baixa temperatura). À temperatura ambiente, o hélio encontra-se no estado gasoso. O hélio (gr. helios, Sol) é um elemento...

The post Hélio appeared first on Guias & Tutoriais DBC Oxigênio.

]]>
Tabela Periódica

Tabela Periódica

O hélio é um gás incolor e inodoro, monoatômico em condições normais de pressão e temperatura, tornando-se líquido somente em condições extremas (de alta pressão e baixa temperatura). À temperatura ambiente, o hélio encontra-se no estado gasoso. O hélio (gr. helios, Sol) é um elemento químico de símbolo He e que possui massa atômica igual a 4 u, apresentando número atômico 2 (2 prótons e 2 elétrons). Apesar da sua configuração eletrônica ser 1s2, o hélio não figura na tabela periódica dos elementos junto com o hidrogênio no bloco s, está colocado no grupo 18 (8A ou 0) do bloco p, já que apresenta nível de energia completo, apresentando as propriedades de um gás nobre, ou seja, é inerte (não reage) como os demais elementos.

helio1

O hélio é usado nos dirigíveis.

Tem o ponto de solidificação mais baixo de todos os elementos químicos, sendo o único líquido que não pode solidificar-se baixando a temperatura à pressão normal, já que permanece no estado líquido no zero absoluto. O hélio sólido só existe a pressões da ordem de 100 MPa a 15 K (-248,15 ºC). Aproximadamente a essa temperatura, o hélio sofre uma transformação cristalina, de estrutura cúbica a estrutura hexagonal compacta; em condições mais extremas, ocorre uma nova mudança, empacotando os átomos numa estrutura cúbica centrada. Todos estes empacotamentos tem energias e densidades semelhantes, debitando-se as mudanças à maneira como os átomos interagem.

O hélio tem o menor ponto de evaporação de todos os elementos químicos, e só pode ser solidificado sob pressões muito grandes. É o segundo elemento químico em abundância no universo, atrás do hidrogênio, mas na atmosfera terrestre encontram-se apenas traços, provenientes da desintegração de alguns elementos. Em alguns depósitos naturais de gás é encontrado em quantidade suficiente para a sua exploração; usado para o enchimento de balões e dirigíveis, como líquido refrigerante de materiais supercondutores criogênicos e como gás engarrafado utilizado em mergulhos de grande profundidade.

De resto, sua temperatura crítica é de apenas 5,19 K. Os isótopos 3He e 4He são os únicos em que é possível, aumentando a pressão, reduzir o volume mais de 30%. O calor específico do gás hélio é muito elevado, de vapor muito denso, expandindo-se rapidamente quando é aquecido a temperatura ambiente.

Características
Nome, símbolo, númeroHélio, He, 2
Classe , série químicaGás nobre , gás nobre
Grupo, período, bloco18 (VIIIA ou 0), 1, s
Densidade, Dureza0,1785 kg/m³, não apresenta
Aparência e Corincolorhidrogenio4
Propriedades atômicas
Configuração eletrônica1s2
Estado de oxidação (óxido)0 (desconhecido)
Estrutura cristalinahexagonal
Massa atômica4,002602(2) u
Raio atômico (calculado)sem dados (31) pm
Raio covalente32 pm
Raio de van der Waals140 pm
Elétrons por nível de energia2
Propriedades físicas
Entalpia de vaporização0,0845 kJ/mol
Entalpia de fusão5,23 kJ/mol
Pressão de vaporinaplicável
Velocidade do som970 m/s a 293,15 K
Estado da matériagasoso
Volume molar21,0 ×10-6 m³/mol
Ponto de fusão0,95 K a 26 atm
Ponto de ebulição4,22 K
Informações diversas
1º Potencial de ionização2372,3 kJ/mol
2º Potencial de ionização5250,5 kJ/mol
Calor específico5193 J/(kg*K)
Eletro negatividadesem dados (Escala de Pauling)
Condutividade elétricasem dados
Condutividade térmica0,152 W/(m*K)
Isótopos mais estáveis
isoANmeia-vidaMDED (MeV)PD
3He
0,000137%He é isótopo estável com 1 nêutron
4He
99,999863%He é estável com 2 nêutrons
6He{sintético}806,7 msβ3,5086Li
Unidades SI e CNPT, exceto onde indicado o contrário

História

O hélio foi descoberto de forma independente pelo francês Pierre Janssen e pelo inglês Norman Lockyer, em 1868 ao analisarem o espectro da luz solar durante um eclipse solar ocorrido naquele ano, encontrando uma linha de emissão de um elemento desconhecido. Eduard Frankland confirmou os resultados de Janssen e propôs o nome helium para o novo elemento, em honra ao deus grego do sol (helios) com o sufixo -ium , já que se esperava que o novo elemento fosse metálico.

Imagem do Sol

Imagem do Sol

Em 1895 Sir William Ramsay isolou o hélio descobrindo que não era metálico, entretanto o nome original foi conservado. Os químicos suecos Abraham Langlet e Per Teodor Cleve conseguiram também, na mesma época, isolar o elemento.

Em 1907 Ernest Rutherford e Thomas Royds demonstraram que as partículas alfa são núcleos de hélio.

Em 1908 o físico alemão Heike Kamerlingh Onnes produziu hélio líquido esfriando o gás até 0,9 K, o que lhe rendeu um prêmio Nobel. Em 1926 seu discípulo Willem Hendrik Keesom conseguiu pela primeira vez solidificar o hélio.

O hélio e suas aplicações

O hélio é mais leve que o ar, isto é, a densidade do hélio é menor que a densidade do ar, diferenciando-se do hidrogênio por não ser inflamável, entretanto, apresenta poder ascensional 8% menor. Por este motivo, e por ser um gás inerte, é utilizado em dirigíveis e balões com fins recreativos, publicitários, reconhecimento de terrenos, filmagens aéreas e para investigações das condições atmosféricas. As maiores reservas de Hélio encontram-se nos Estados Unidos. Estas reservas são estratégicas e controladas pelo governo norte americano. Não estão disponíveis para venda em grande quantidades.

Além das citadas o hélio tem outras aplicações, como:

  • Em cromatografia de gases é usado como gás transportador inerte.
  • A mistura hélio-oxigênio é usada para mergulhos a grande profundidade, já que é inerte e menos solúvel no sangue que o nitrogênio e se difunde 2,5 vezes mais depressa, reduzindo o tempo necessário para a descompressão, apesar de iniciar-se em maior profundidade elimina o risco de narcose por nitrogênio (embriaguês de profundidades).
  • O hélio líquido encontra cada vez maior uso em aplicações médicas de imagem por ressonância magnética (RMI).
  • Devido ao seu baixo ponto de liquefação e evaporação pode ser usado como refrigerante a temperaturas extremadamente baixas em imãs supercondutores e na investigação criogênica a temperaturas próximas do zero absoluto.
  • A atmosfera inerte de hélio é empregada na soldadura por arco e na fabricação de cristais de silício e germânio, assim como para pressurizar combustíveis líquidos de foguetes.
  • Em túneis de vento supersônicos.
  • Como agente refrigerante em reatores nucleares.

Obtenção e Abundância

O hélio é o segundo elemento mais abundante do universo atrás apenas do hidrogênio e constitui em torno de 20% da matéria das estrelas, em cujo processo de fusão nuclear desempenha um importante papel. A abundância do hélio não pode ser explicada pela formação das estrelas, ainda que é consistente com o modelo do Big bang, acredita-se que a maior parte do hélio existente se formou nos três primeiros minutos do universo.

Na atmosfera terrestre existe na ordem de 5 ppm e encontrado também como produto de desintegração em diversos minerais radioativos de urânio e tório. Alem disso, está presente em algumas águas minerais, em gases vulcânicos, principalmente nos vulcões de lama e em certas acumulações comerciais de gás natural como nos Estados Unidos, Rússia e Argélia de onde provém a maioria do hélio comercial, associado ao gás metano.

Pode-se sintetizar o hélio bombardeando núcleos de lítio ou boro com prótons a alta velocidade.

O hélio e seus compostos

Dado que o hélio é um gás nobre, na prática não participa das reações químicas, ainda que sob a influência de descargas elétricas ou bombardeado com elétrons forma compostos com o wolfrâmio, iodo, flúor e fósforo.

Formas

O hélio líquido (hélio-4) se encontra em duas formas distintas: hélio-4 I e hélio-4 II, entre os quais ocorre uma brusca transição a 2.1768 K (ponto lambda). O He-I, acima dessa temperatura é um líquido normal, porém o He-II abaixo dessa temperatura, não se parece a nenhuma outra substância, converte-se num superfluido cujas características incomuns se devem a efeitos quânticos, um dos primeiros casos que se tem observado em escala macroscópica.

O hélio-II tem uma viscosidade nula, fluindo com facilidade através de finíssimos capilares através dos quais o hélio-I não consegue fluir, e tem, além disso, uma condutibilidade térmica muito maior que qualquer outra substância.

Isótopos

Isótopo estável He-4

Isótopo estável He-4

O isótopo mais comum do hélio é o 4He, cujo núcleo está constituído por dois prótons e dois nêutrons. Sua excepcional estabilidade nuclear se deve ao fato de que tem um número mágico de núcleons, isto é, uma quantidade que se distribui em níveis completos (de modo análogo como se distribuem os elétrons nos orbitais). Numerosos núcleos pesados se desintegram emitindo um núcleo de 4He; este processo, que se denomina desintegração alfa – por isso o núcleo emitido se chama partícula alfa – é a origem da maioria do hélio terrestre.

O hélio tem um segundo isótopo, o 3He, além de outros mais pesados que são radioativos. O hélio-3 é praticamente inexistente na terra, dado que a desintegração alfa produz exclusivamente núcleos de hélio-4 e tanto estes como o hélio atmosférico escapam ao espaço em períodos geológicos relativamente curtos. O hélio-3 pode ocorrer associado com depósitos de hidrocarbonetos (gás natural, petróleo) cuja origem é oriunda do manto da terra.

Ambos isótopos foram produzidos durante o Big bang em quantidades significativas, e continuam sendo produzidos mediante a fusão do hidrogênio nas estrelas.

Precauções ao usar hélio

Os depósitos de gás hélio de 5 a 10 K deve ser armazenado como líquido devido ao grande incremento de pressão que se produz ao aquecer o gás a temperatura ambiente.

Quando aspirado, o hélio distorce a voz (343m/s). Deve-se tomar cuidado ao fazer isso, pois apesar de não ser tóxico, o gás hélio pode provocar sufocamento por supressão de oxigênio.

Dirigível a Hélio, da Goodyear efetuando um pouso.

The post Hélio appeared first on Guias & Tutoriais DBC Oxigênio.

]]>
http://guias.oxigenio.com/helio/feed 0
Argôniohttp://guias.oxigenio.com/argonio http://guias.oxigenio.com/argonio#comments Mon, 07 Apr 2014 21:30:52 +0000 http://guias.oxigenio.com/?p=125 O argônio foi descoberto em 1894 pelos ingleses William Ramsay e Walter Rayleigh. É o terceiro elemento da classe dos gases nobres, incolor e inerte como eles, constituindo cerca de 1% do ar atmosférico. É usado em lâmpadas fluorescentes e em dispositivos ou processos que...

The post Argônio appeared first on Guias & Tutoriais DBC Oxigênio.

]]>
O argônio foi descoberto em 1894 pelos ingleses William Ramsay e Walter Rayleigh. É o terceiro elemento da classe dos gases nobres, incolor e inerte como eles, constituindo cerca de 1% do ar atmosférico.

É usado em lâmpadas fluorescentes e em dispositivos ou processos que exigem uma atmosfera inerte.

Apresenta símbolo Ar, número atômico 18 (18 prótons e 18 elétrons) e massa atômica 40 u, encontrado no estado gasoso em temperatura ambiente.

Características do argônio

Apesar de inerte, um composto estável de argônio [argon fluorohydride (HArF)] foi identificado pela primeira vez em 2000 por um grupo de pesquisadores Finlandeses. Adicionalmente, um composto com flúor, muito instável foi feito em 2003, pelo químico suíço Helmut Durrenmatt. Tem uma solubilidade em água 2,5 vezes maior que a do nitrogênio ou a do oxigênio. É um gás monoatômico inerte, incolor e inodoro tanto no estado líquido quanto no gasoso.

argonio1História

Henry Cavendish, em 1785, expôs uma amostra de nitrogênio a descargas elétricas repetidas em presença de oxigênio para formar óxido de nitrogênio que, após eliminado, restava em torno de 1% de um gás original que não podia ser dissolvido. Cavendish afirmava, diante disso, que nem todo o «ar flogisticado» era nitrogênio. Em 1892 Lord Rayleigh descobriu que o nitrogênio atmosférico tinha uma densidade maior que o nitrogênio puro obtido a partir do nitro. Raleight e Sir William Ramsay demonstraram em 1894 que a diferença devia-se à presença de um segundo gás pouco reativo e mais pesado que o nitrogênio: o argônio. O anúncio da descoberta foi acolhida com muita desconfiança pela comunidade científica.

Em 1904 Rayleight recebeu o Prêmio Nobel de Física pelas suas investigações acerca da densidade dos gases mais importantes e pela descoberta da existência do argônio.

Abundância e obtenção

O gás é obtido por meio da destilação fracionada do ar líquido, onde é encontrado numa proporção de aproximadamente 0,94%, eliminando-se posteriormente o oxigênio residual com hidrogênio. A atmosfera de Marte contém 1,6% de Ar-40 e 5 ppm de Ar-36. A de Mercúrio contém 7,0% e a atmosfera de Vênus contém apenas traços.

Isótopos

Os principais isótopos de argônio presentes na Terra são Ar-40 (99,6%) e em menores quantidades, o Ar-36 e Ar-38. O isótopo K-40, com uma vida média de 1,205×109 anos, decai em 11,2% a Ar-40 estável mediante captura eletrônica e desintegração β+ (emissão de um pósitron), e os 88,8% restantes a Ca-40 mediante desintegração β- (emissão de um elétron). Estas proporções de desintegração permitem determinar a idade das rochas. Na atmosfera terrestre, o Ar-39 é gerado por bombardeamento de raios cósmicos principalmente a partir do Ar-40. Em locais subterrâneos não expostos é produzido por captura neutrônica do K-39 e desintegração α do cálcio.

O Ar-37, com uma vida média de 35 dias, é produto do decaimento do Ca-40, resultado de explosões nucleares subterrâneas.

Aplicações

É empregado como gás de enchimento em lâmpadas incandescentes, já que não reage com o material do filamento, mesmo em altos níveis de temperatura e pressão. Com isso prolonga-se a vida útil da lâmpada. Emprega-se também na substituição do néon, nas lâmpadas fluorescentes, quando se deseja uma coloração verde azulada ao invés do roxo do néon. Também é usado como substituto do nitrogênio molecular (N2) quando este não se comporta como gás inerte devido às condições de operação.

No âmbito industrial e científico, é empregado universalmente na recriação de atmosferas inertes (não reagentes) para evitar reações químicas indesejadas em vários tipos de operações.

  • Soldagem em arco elétrico e oxicorte.
  • Fabricação de titânio e outros elementos químicos reativos.
  • Fabricação de monocristais — partes cilíndricas formadas por uma estrutura cristalina contínua de silício e germânio para componentes semicondutores.

O argônio-39 é usado, entre outras aplicações, para a datação de núcleos de gelo e águas subterrâneas.

Em mergulhos profissionais, o argônio é empregado para inflar trajes – o que impede o contato da pele com a umidade típica do neopreno — tanto por ser inerte como por sua pequena condutibilidade térmica, proporcionando um isolamento térmico necessário para realizar longas imersões em determinadas profundidades.

O laser de argônio tem usos médicos em odontologia e oftalmologia. A primeira intervenção com laser de argônio foi realizada por Francis L’Esperance, para tratar uma retinopatia em fevereiro de 1968.

Soldagem de chapa com máquina TIG com argônio como gás de proteção

 

Enchimento de Alumínio com máquina TIG com argônio como gás de proteção

The post Argônio appeared first on Guias & Tutoriais DBC Oxigênio.

]]>
http://guias.oxigenio.com/argonio/feed 0
Óxido Nitrosohttp://guias.oxigenio.com/oxido-nitroso http://guias.oxigenio.com/oxido-nitroso#comments Mon, 07 Apr 2014 21:25:46 +0000 http://guias.oxigenio.com/?p=190 Por muito tempo, o óxido nitroso foi conhecido como gás hilariante ou gás do riso, pela capacidade que possui de provocar contrações musculares involuntárias na face das pessoas, dando a impressão de que ela está rindo. O óxido nitroso se apresenta na forma de um...

The post Óxido Nitroso appeared first on Guias & Tutoriais DBC Oxigênio.

]]>
Por muito tempo, o óxido nitroso foi conhecido como gás hilariante ou gás do riso, pela capacidade que possui de provocar contrações musculares involuntárias na face das pessoas, dando a impressão de que ela está rindo.

oxido_nitroso

Nitro para carro:
saiba mais…

O óxido nitroso se apresenta na forma de um gás incolor, composto portanto de duas partes de nitrogênio e uma de oxigênio, cuja fórmula química é N2O e sua fórmula estrutural é N—N—O. É sempre usado na forma gasosa e normalmente manuseado na forma líquida em cilindros de alta pressão ou tanques criogênicos, porém vaporiza facilmente a baixas pressões.

Quando liberado na atmosfera como resíduo das atividades industriais é considerado um gás poluente, formando uma camada de cor castanho-avermelhada na direção da linha do horizonte. Esse composto atua como um gás de efeito estufa provocando o surgimento de ilhas de calor nas grandes cidades.

Sendo um agente inalatório, o Óxido Nitroso tem sua maior aplicação na área médica. Administrado juntamente com o Oxigênio, possui efeito analgésico e sedativo. Em anestesia geral, a adição de Óxido Nitroso ao Oxigênio permite uma redução da quantidade do agente anestésico mais caro, obtendo-se o mesmo efeito. Para fins industriais é utilizado principalmente na fabricação de chantilly.

A maior parte do ar que respiramos é constituída por moléculas de nitrogênio, muito estáveis. Decompô-las e usá-las como moléculas vivas requer muita energia – e nossos pulmões não conseguem fazer isso. Por isso é comum que animais e plantas morram de fome ou fiquem raquíticos por falta de nitrogênio – um daqueles casos de “morrer de sede à beira da água”. Só algumas poucas bactérias do solo especializadas são capazes de retirar o nitrogênio do ar. Todas as plantas retiram seu nitrogênio dessas espécies de bactérias simbióticas; todos os animais, inclusive o homem, retiram seu nitrogênio das plantas. Outras espécies de bactérias – as da deterioração – eventualmente devolvem o nitrogênio ao ar.

É raro haver vínculos assim tão limitados e específicos entre as esferas da Terra.

No caso do nitrogênio é um elemento que enche a atmosfera e toda a biosfera precisa desesperadamente dele – e, mesmo assim, praticamente a única ligação entre as duas esferas é uma bactéria microscópica.

O oxido nitroso vem se acumulando na atmosfera. A concentração desse gás já chegou a 300 partes por milhão e aumenta à razão de 2% por década. Este índice pode parecer pequeno, mas na verdade revela uma grande perturbação global, que existe e cresce pelo menos desde o inicio dos anos 60. São mais de 5 milhões de toneladas de oxido nitroso por ano, cerca de 25% do que a biosfera produz naturalmente.

Emissões do óxido nitroso na atmosfera

Óxido nitroso para automóveis

Ficha Técnica

  • Densidade absoluta:
    • 0,8g/mL (líquido a 0ºC)
    • 1,98g/L (gasoso, nas condições normais de temperatura e pressão)
  • Densidade Relativa ou Peso específico: 1,527 (ar = 1,0)
  • Peso molecular: 44,02
  • Pressão de vapor: 1,0 atm (a -88,44ºC)
  • Pressão crítica: 71,7 atm
  • Temperatura crítica: 49ºC (Segundo a especificação da Powertech)
  • Calor específico: 0,20 cal/g
  • Calor Latente de vaporização: 98,6 cal/g
  • Ponto de ebulição: -88,44ºC

The post Óxido Nitroso appeared first on Guias & Tutoriais DBC Oxigênio.

]]>
http://guias.oxigenio.com/oxido-nitroso/feed 0
Emissão do Óxido Nitroso na atmosferahttp://guias.oxigenio.com/emissao-do-oxido-nitroso-na-atmosfera http://guias.oxigenio.com/emissao-do-oxido-nitroso-na-atmosfera#comments Mon, 07 Apr 2014 21:20:45 +0000 http://guias.oxigenio.com/?p=1002 O N2O podem ser produzido por processos biogênicos e abiogênico: O processo de desnitrificação e nitrificação são processos biogênicos que produzem N2O e NO. Estes gases são importantes para a química da atmosfera. O N2O contribui para o aquecimento global e para destruição do ozônio...

The post Emissão do Óxido Nitroso na atmosfera appeared first on Guias & Tutoriais DBC Oxigênio.

]]>
O N2O podem ser produzido por processos biogênicos e abiogênico: O processo de desnitrificação e nitrificação são processos biogênicos que produzem N2O e NO. Estes gases são importantes para a química da atmosfera.

O N2O contribui para o aquecimento global e para destruição do ozônio na estratosfera (LOGAN,1983;CICERONE,1987;KHALIL,199).O NO afeta regionalmente a química do ozônio na troposfera (LOGAN, 1983).

A desnitrificação é um processo heterotrófico pelo qual muitos gêneros de bactérias (principalmente Pseudomonas) utilizam o carbono orgânico como fonte redutora e , na ausência do O2, utilizam os óxidos de nitrogênio como aceptores de elétrons – resultando na produção de N2O,NO e N2 (Davidson,1991).

A nitrificação é um processo de oxidação biológica das formas redutíveis de nitrogênio (NH4+) resultando em NO2 e NO3.As bactérias nitrificantes podem obter energia desta oxidação (família Nitribacteriaceae) ou utilizá-la como produto secundário de nitrificação heterotrófica.

A Quimiodenitrificação é um processo abiogênico de autodecomposição do HNO2, e da reação deste com grupos fenólicos da matéria orgânica do solo – resultando na produção de NO e N2O. A ocorrência de quimiodenitrificação é significantemente maior quando o pH do solo é menor que 5.

educac15O controle da produção de N2O por microrganismos desnitrificadores no solo é determinado pelo suprimento de nitrato, CO de fácil assimilação e status de O2 no solo.

Os microrganismos desnitrificadores utilizam o N na forma de nitrato como aceptor final de elétrons sob condições anaeróbias. A conversão de florestas em pastagens aumenta a disponibilidade imediata de N no solo graças à rápida mineralização provocada pelo fogo, por ocasião da queima da biomassa vegetal derrubada, embora parte do N seja perdido sob formas gasosas durante a queima.

Aparentemente, pastagens novas liberam quantidades significativas de N2O, dependendo do referido aumento na disponibilidade de N para os microrganismos desnitrificadores. Com o passar dos anos de exploração dessas pastagens, há redução acentuada na disponibilidade de N no solo, conforme as perdas excessivas por lixiviação, que ocorrem graças à quantidade de N disponível no solo superar a demanda das plantas forrageiras. Como conseqüência, os fluxos de N2O também decrescem com o tempo de exploração da pastagem.

A concentração de N2O na atmosfera tem aumentado na taxa de 0,25 % ao ano, sendo os solos tropicais considerados os maiores responsáveis pela emissão de N2O em ecossistemas terrestres naturais. As florestas tropicais têm maior abundância relativa de nitrogênio em comparação a outros biomas (VITOUSEK e Snaford,1986).

Os seres humanos estão agora provocando mudanças no ciclo do nitrogênio, mediante ajustes globais tão drásticos quanto no ciclo do carbono. Em 1950, produziam-se e aplicavam-se anualmente cerca de 3 milhões de toneladas de fertilizantes artificiais de nitrogênio. Hoje, esse total passa de 50 milhões de toneladas. Este e outros progressos da agricultura estão alterando o ciclo do nitrogênio de formas que ainda nem começamos a entender.

Por outro lado, a queima de combustíveis fósseis não produz apenas monóxido de carbono e dióxido de carbono, mas também compostos de nitrogênio e oxigênio. O oxido nítrico (NO) tem um átomo de nitrogênio e um do oxigênio; o oxido nitroso (N2O) tem dois átomos de nitrogênio e um de oxigênio; ou seja; o oxido nitroso (que tem três átomos) provoca efeito estufa. Uma molécula deste gás equivale ao potencial de aquecimento de cerca de 250 moléculas de dióxido de carbono e também permanece mais tempo no ar, em média 125 anos.

The post Emissão do Óxido Nitroso na atmosfera appeared first on Guias & Tutoriais DBC Oxigênio.

]]>
http://guias.oxigenio.com/emissao-do-oxido-nitroso-na-atmosfera/feed 0
Óxido Nitroso para automóveishttp://guias.oxigenio.com/oxido-nitroso-para-automoveis http://guias.oxigenio.com/oxido-nitroso-para-automoveis#comments Mon, 07 Apr 2014 21:15:44 +0000 http://guias.oxigenio.com/?p=987 O óxido nitroso é muito conhecido, especialmente no meio automobilístico, abreviadamente como nitro. O nitro (ou Nitrox) é bastante utilizado em motores a explosão com o objetivo de se obter um aumento de desempenho. O conhecido nitro pode ser vendido em forma de kit ou...

The post Óxido Nitroso para automóveis appeared first on Guias & Tutoriais DBC Oxigênio.

]]>
educac12O óxido nitroso é muito conhecido, especialmente no meio automobilístico, abreviadamente como nitro. O nitro (ou Nitrox) é bastante utilizado em motores a explosão com o objetivo de se obter um aumento de desempenho. O conhecido nitro pode ser vendido em forma de kit ou em peças separadas. Geralmente o kit básico acompanha: um cilindro, solenóides, mangueiras, bicos injetores (foggers) e peças para acabamento. A parte mais aparente é o cilindro, no qual se pode adotar diferentes cores e tamanhos, dependendo de sua aplicação ou marca. Ele é o gás de fórmula química N20, que fica armazenado dentro de um cilindro, normalmente instalado no porta-malas. Da mesma forma que o turbo, o nitro é um equipamento destinado a aumentar de forma instantânea o torque e a potência do motor de um carro. Ao contrário do que muitos pensam, o nitro não explode, não é feito de nitroglicerina e não é o mesmo que o nitrometano, entre outras suposições que o senso comum possa julgar equivalentes. Esse gás serve também para fazer brincadeiras com a voz, tornando-a aguda e totalmente estranha. Muitas pessoas usufruem desse gás em festas para descontrair as pessoas.

As marcas de kits de óxido nitroso mais conhecidas são: NOS, NX (Nitrous Express), Vennon e ZEX. Cada qual com sua cor de cilindro padrão, exemplo: NOS (Azul), NX (Branco/Cinza), Vennon (Preto), ZEX (Roxo), Powertech (Azul, Cromado).

O modo de funcionamento é relativamente simples. O nitro aumenta a potência por 3 processos, um químico e 2 físico-químicos. O primeiro, e principal, por fornecer comburente e combustível para a queima, já que a potência do motor é diretamente proporcional à quantidade (massa) de mistura comburente+combustível que entra nos cilindros do motor. A segunda, ao aumentar a quantidade de ar admitido, ao resfriar o sistema de admissão do motor. A terceira, e última, por resfriar os cilindros, o que permite maior margem de compromisso para o acerto.

Existem outros sistemas de injeção de gases diversos na admissão de veículos. Mas as vantagens do N2O sobre outros sistemas de injeção de gases são enormes. Por exemplo, nos sistemas de injeção de CO2, ocorrem apenas os ganhos proporcionados pela primeira e pela terceira etapas. Em relação à injeção de O2, oxigênio puro, existem 2 problemas principais deste sistema: o primeiro, porque o oxigênio puro aquece enormemente as câmaras de combustão, já que não existe agente regulador de temperatura (nitrogênio) e, o segundo, porque é extremamente perigoso carregar oxigênio puro no interior de um veículo. O óxido nitroso, apesar de fornecer comburente (oxigênio), ele NÃO é um comburente por si, e só o faz uma vez dentro das câmaras de combustão. Portanto, ele é inerte em condições de temperatura e pressão ambientes. Em caso de vazamento ou acidente com o cilindro, mangueiras, ou mesmo falha do fogger, o kit nitro não oferece qualquer risco. Já no caso de um cilindro de oxigênio, os riscos são muito grandes e significativos pois, uma vez em contato com o ar dentro do cofre do motor, basta apenas uma pequena fagulha elétrica e/ou vapor de óleo ou combustível para se iniciar um incêndio – e ainda oferece ganhos pequenos, a ponto de o inviabilizar, em se comparando seu uso frente ao do nitro.

No instante em que o óxido nitroso sai do cilindro, expelido pelo fogger, passando de um meio de alta pressão (cilindro) para um de baixa pressão (em geral próxima à atmosférica), o gás sofre uma rápida expansão. Isto faz com que o nitro resfrie significativamente (o que é explicado pela teoria dos gases). Como o gás é expelido, em geral, no sistema de admissão do veículo, tal sistema torna-se muito frio. Isto por si faz com que o ar que está sendo admitido pelo motor se adense (quanto mais baixa for a temperatura de um gás, mais denso ele fica, conseqüentemente, menor o seu volume). Desta forma, é possível aumentar a quantidade de combustível e oxigênio enviada a cada cilindro, provocando uma explosão muito maior dentro da cada câmara de combustão do motor, aumentando a quantidade de ar admitido em geral – um dos benefícios secundários do nitro. Isto aumenta a quantidade de oxigênio (e, impelido pelo fogger, combustível extra) enviado a cada cilindro, o que fornece um acréscimo de cerca de 10 a 20% do acréscimo de potência.

educac13Numa segunda etapa, a mistura de ar + nitrox + combustível entra nos cilindros do motor. Como os cilindros trabalham em alta temperatura e pressão (em geral acima dos 400°C e acima dos 100bar), a molécula de N2O, num processo químico, se dissocia em moléculas de N2 (nitrogênio) e O2 (oxigênio). O oxigênio dissociado do óxido nitroso soma-se ao oxigênio admitido no ar, formando a massa total de comburente que será utilizada para a queima. Combustível adicional já está presente nos cilindros, uma vez que o fogger já tem a função de injetar mais combustível, juntamente com o óxido nitroso, na proporção correta do acréscimo de comburente+combustível. Esta é a forma principal de ganho de potência proporcionada pelo nitro, que gera cerca de 70 a 80% do acréscimo de potência gerado.

O nitrogênio resultante da dissociação do óxido nitroso permanece inerte no cilindro durante a queima, porém reduzindo muito significativamente a temperatura interna dos cilindros, o que permite ao mesmo tempo maior segurança e melhores possibilidades para o acréscimo de potência. Isto porque ocorre grande aumento de massa admitida e da queima, gerando maiores pressão e temperatura interna dos cilindros, o que exigiria maiores alterações na estrutura do motor e do acerto, no sentido de conter o aumento de temperatura e a compressão interna do motor – e o nitrogênio compensa isso ao resfriar os cilindros. O nitrogênio, resfriando os cilindros, atua como um agente regulador, complementando acréscimo de potência.

Resumindo, o aumento da potência proporcionado pelo nitro se deve a três fatores:

  • resfriamento abrupto da mistura admitida, o que aumenta a massa de mistura na câmara de combustão
  • combustível e mais comburente (oxigênio) nos cilindros
  • resfriamento das câmaras de combustão do motor (nitrogênio).

Esse aumento de potência pode assumir valores superiores a 100% (mais que o dobro da potência original), dependendo do motor e da regulagem do nitro (quantidade e nitro e combustível injetados pelo fogger). Como medida de segurança para carros originais, aconselha-se a utilizar apenas 40% a mais de potência (em relação a potência original do carro), o que ajuda a preservar a durabilidade e a vida útil do motor, câmbio, embreagem e demais peças mecânicas.

Uma vez sabendo seu funcionamento, pode-se entender como é instalado no carro. O nitro armazenado num cilindro. Quando é necessário mais potência, aperta-se um botão ou vira-se uma chave no painel do carro. Nesse instante, duas válvulas eletro-magnéticas (tecnicamente chamadas de solenóides) entram em ação: uma delas libera o nitro do cilindro, que dispara por uma mangueira até ao motor, e a outra, libera combustível, que vai até o motor por outra mangueira.

Tanto o nitro quanto o combustível (no caso de injeção eletrônica), entram no motor através de um bico injetor especial, o fogger. Cada um com suas características especiais.

A quantidade de foggers que é instalada no motor está relacionada com a quantidade de potência que será aumentada. Tomando como exemplo o motor AP do Gol, que tem quatro cilindros, pode-se colocar somente um na entrada da injeção eletrônica (antes do corpo da borboleta) ou carburador. Ou quatro no coletor de admissão, que vêm depois da injeção eletrônica ou do carburador. Essa é uma preparação bem mais forte.

A grande vantagem do nitro é que você só usa quando quer. Seu carro pode ser totalmente original e receber um kit de nitro. Enquanto você não usá-lo, o comportamento do carro é o mesmo de quando saiu da fábrica – claro, se você não tiver outras preparações junto, como o turbo – mas ao necessitar de mais potência. é só “chamar o nitro” e segurar firme o volante. Sabendo usar, a durabilidade do motor é maior em relação ao turbo. A desvantagem é que o nitro não dura para sempre. Um cilindro padrão de nitro (10lbs), dura em média de 5 a 7 minutos de injeção, considerando que você aperte o botão durante uns 15 segundos no máximo por vez, um cilindro dá para 30 a 50 injeções.

Atualmente, um kit simples, com um fogger, sai por cerca de US$800,00. O problema é a recarga do cilindro: R$90,00 a R$150,00 em média por quilo de óxido nitroso. O nitro pode ser usado em conjunto com o turbo ou outro tipo de preparações sem problemas, desde que com as devidas adaptações e reforços.

Se você instalar um kit de nitro no seu carro, tenha o cuidado de saber usá-lo, só acione em locais seguros e nunca aperte por mais de 15 segundos o botão se sua preparação for básica, e nem pense em injetar em uma curva, ou com o piso molhado, pois é perda de controle do carro na certa. Também não acione antes de tirar o pé da embreagem, para não arrebentar o motor ou o câmbio (daí depende da sua experiência com nitro).

Kit Nitro – Instalação

O óxido nitroso, sendo composto de oxigênio e nitrogênio, pode ser injetado no corpo da borboleta da injeção ou no coletor de admissão dos carburadores. Quando chega aos cilindros, ele se divide através de uma reação causada pelo calor (acima de 300ºC) em suas substâncias simples, liberando o oxigênio, que faz com que enriqueça a queima do combustível. Essa reação de decomposição do nitro absorve calor e faz com que a mistura ar+combustível seja resfriada, fazendo uma descompressão muito rápida do nitro que estava sob pressão. Esse resfriamento aumenta muito a potência devido ao aumento da densidade da mistura.

O Kit Nitro é uma forma de aumentar a potência de seu motor sem alterar demais as características dele. Pessoas leigas dificilmente percebem que o nitro está presente, instalado no motor. O kit nitro não é um veneno que se instala em qualquer fundo de quintal, apesar de fácil de instalação.

Esquema de instalação de Nitro

Os Kits podem ser usados ou novos. Apesar de serem mais em conta, os kits usados devem ser de qualidade, com isso evita-se incômodos com o tempo de uso. Ao comprar o Kit informe-se sobre a confiabilidade das lojas (Kit novo) ou da pessoa com que você ira adquirir o kit (Kit usado).

Ao instalar o kit nitro, conheça bem as oficinas, preparadores ou mecânicos e os carros nitrados que este tenha montado.

A instalação do kit varia conforme o modelo a ser instalado, que deverá ser escolhido em função da potência a ser adicionada, veiculo a ser instalado. A potência mínima dos giclês originais é cerca de 25 a 30cv, mas está pode ser regulada tanto para menos quanto para mais. Para que o motor não quebre, é fundamental que o motor em si esteja em bom estado e que use a injeção de nitro na medida correta.

As modificações no motor se tornam necessárias na medida em que se quer mais potência. Quanto maior potência jogada no motor, mais alterações serão feitas para tentar garantir a “mesma” durabilidade do motor original. É raro que alguém que queira uma super preparação fique somente com o nitro.

educac14O sistema de óxido nitroso também tem a vantagem de que com ele acionado a queima é muito boa e o risco de pré-detonação é quase inexistente.

O kit nitro é composto por manômetros do nitro, solenóides de combustível e nitro, mangueira metálica para conduzir o gás, cilindro, o bico (fogger), botões de acionamento, giclê e mais alguns itens. As solenóides são como “torneiras” elétricas que se abrem com o apertar de um botão e deixam o combustível e o nitro irem para o fogger, onde eles se misturam e são injetados no motor.

Para o acionamento do nitro são sistemas mais usados:

  • Pode ser instalado um botão na alavanca de marcha (que aciona o nitro no motor), um botão de segurança.
  • Pode ser instalado um volante que possui um ou dois botões (que aciona o nitro no motor), um botão de segurança.
  • Pode ser instalado no final do curso do acelerador um botão (que aciona o nitro no motor), um botão de segurança.

Nos 4 casos o botão de segurança pode ser do tipo:

  • Chave do Nitro.
  • Aircraft com proteção vermelha escrita em branco nitro.
  • Chave elétrica com capa de proteção.
  • Chave on/off

O nitro pode ser usado em qualquer carro, então se tem a vantagem de trocar de carro e reinstalar o kit no novo carro. O único acerto a ser feito seria a substituição dos giclês (jets) por outros para o acerto de mistura óxido nitroso+combustível.

Na verdade o Kit pode ser montado pelo proprietário do carro, de acordo com seu motor. Nos motores de arrancada dependendo das características do motor (ex: motor com pistões, bielas, virabrequim forjados, bloco usinado) se usa muito nitro e é despejada muita potência, coisa que num motor “normal” iria provocar a destruição de seus componentes.

Só por curiosidade: O nitro é quimicamente composto por dois átomos de Nitrogênio (N) e por um de oxigênio (O). O nitrogênio tem propriedade congelante, e o oxigênio é um comburente. Essa mistura é realmente uma maravilha para o motor: O oxigênio melhora a queima e o nitrogênio esfria, o volume de ar diminui e o ganho de potência é ótimo.
A desvantagem é que a carga do cilindro não é infinita.

The post Óxido Nitroso para automóveis appeared first on Guias & Tutoriais DBC Oxigênio.

]]>
http://guias.oxigenio.com/oxido-nitroso-para-automoveis/feed 0
Processo Criogênico de Produção de Gaseshttp://guias.oxigenio.com/processo-criogenico-de-producao-de-gases http://guias.oxigenio.com/processo-criogenico-de-producao-de-gases#comments Mon, 07 Apr 2014 21:10:58 +0000 http://guias.oxigenio.com/?p=656 Conheça um pouco mais do processo criogênico de produção de Oxigênio, Nitrogênio e Argônio, (Líquidos Criogênicos). Legenda: 78% Nitrogênio – Azul | 21% Oxigênio – Vermelho | 1% Argônio – Verde

The post Processo Criogênico de Produção de Gases appeared first on Guias & Tutoriais DBC Oxigênio.

]]>
Conheça um pouco mais do processo criogênico de produção de Oxigênio, Nitrogênio e Argônio, (Líquidos Criogênicos).

educac2

Legenda:

78% Nitrogênio – Azul | 21% Oxigênio – Vermelho | 1% Argônio – Verde

  • Entrada do Ar
  • Limpeza
  • Compressão
  • Resfriamento
  • Separação do gases
  • Coleta do argônio
  • Vaporização
  • Armazenamento em forma Gasosa
  • Armazenamento em forma Líquida do Nitrogênio (tanque criogênico)
  • Bombeamento para os tanques de armazenamento.

The post Processo Criogênico de Produção de Gases appeared first on Guias & Tutoriais DBC Oxigênio.

]]>
http://guias.oxigenio.com/processo-criogenico-de-producao-de-gases/feed 0
Produção dos outros Gaseshttp://guias.oxigenio.com/producao-dos-outros-gases http://guias.oxigenio.com/producao-dos-outros-gases#comments Mon, 07 Apr 2014 21:05:22 +0000 http://guias.oxigenio.com/?p=671 Hidrogênio No estado de São Paulo, provem do craqueamento do etanol, em que é separado e purificado, depois disto, o hidrogênio é transportado através de Tube-traillers até a fábrica da Air Products em Mogi das Cruzes, nosso fornecedor e parceiro comercial, onde ele é colocado...

The post Produção dos outros Gases appeared first on Guias & Tutoriais DBC Oxigênio.

]]>
Hidrogênio

No estado de São Paulo, provem do craqueamento do etanol, em que é separado e purificado, depois disto, o hidrogênio é transportado através de Tube-traillers até a fábrica da Air Products em Mogi das Cruzes, nosso fornecedor e parceiro comercial, onde ele é colocado nos cilindros e analisado para garantir sua pureza.

Hélio

O Hélio provém de fontes naturais de gás natural que se encontram principalmente nos EUA, Quênia e Rússia. Este composto está presente em apenas 0,4% do gás natural.
Para o Brasil o Hélio é transportado via navio e na forma líquida. Sua maior utilização é ainda na forma líquida para resfriamento de magnetos dos equipamentos de Ressonância Magnética.
No caso de enchimento de cilindros, o líquido é transformado em gás, colocado em cilindros e analisado para garantir sua pureza.

Ar Sintético

Simples mistura de Oxigênio gasoso em Nitrogênio gasoso, na proporção de 21% de O2 e balanço em Nitrogênio.

The post Produção dos outros Gases appeared first on Guias & Tutoriais DBC Oxigênio.

]]>
http://guias.oxigenio.com/producao-dos-outros-gases/feed 0
Válvulas dos Cilindros de Gaseshttp://guias.oxigenio.com/valvulas-dos-cilindros-de-gases http://guias.oxigenio.com/valvulas-dos-cilindros-de-gases#comments Mon, 07 Apr 2014 20:55:54 +0000 http://guias.oxigenio.com/?p=724 Válvula de Vedação de Pressão Válvula com Gaxeta (operada por chave)     Válvula Diafragma (segunda geração)  

The post Válvulas dos Cilindros de Gases appeared first on Guias & Tutoriais DBC Oxigênio.

]]>
Válvula de Vedação de PressãoVálvula com Gaxeta (operada por chave) 01-valvula vedacao pressao 02-valvula com gaxetaVálvula Diafragma (segunda geração) 03-valvula diafragma

The post Válvulas dos Cilindros de Gases appeared first on Guias & Tutoriais DBC Oxigênio.

]]>
http://guias.oxigenio.com/valvulas-dos-cilindros-de-gases/feed 0
Básico de como armazenar um cilindro de gáshttp://guias.oxigenio.com/basico-de-como-armazenar-um-cilindro-de-gas http://guias.oxigenio.com/basico-de-como-armazenar-um-cilindro-de-gas#comments Mon, 07 Apr 2014 20:50:44 +0000 http://guias.oxigenio.com/?p=734 Atenção quanto aos tipos de Gases Gás Característica Armazenagem Toxicidade (*) Inerte Inflamável Oxidante Nitrogênio Inerte X X X Não tóxico Argônio Inerte X X X Não tóxico Hélio Inerte X X X Não tóxico Oxigênio Oxidante X X Não tóxico Oxigênio Medicinal Oxidante X...

The post Básico de como armazenar um cilindro de gás appeared first on Guias & Tutoriais DBC Oxigênio.

]]>
Atenção quanto aos tipos de Gases
GásCaracterísticaArmazenagemToxicidade (*)
InerteInflamávelOxidante
NitrogênioInerteXXXNão tóxico
ArgônioInerteXXXNão tóxico
HélioInerteXXXNão tóxico
OxigênioOxidanteXXNão tóxico
Oxigênio MedicinalOxidanteXXNão tóxico
Ar sintéticoOxidanteXXNão tóxico
HidrogênioInflamávelXXNão tóxico

(*) Observação

  • Apesar de não serem tóxicos, todos os gases, com exceção do ar sintético, são asfixiantes.
  • O ar sintético não pode ser inalado por ser ser frio e seco, causando ressecamentodas mucosas.
  • Não é recomendado usar o hélio para outros fins que não o uso em análises laboratoriais.

Exemplo de uma construção para armazenamento dos Cilindros

armazenamento

  • Cobertura
  • Separação do ambiente externo
  • Parede “Corta-Fogo”
  • Extintor de incêndio
  • Correntes de Fixação
  • Identificação dos gases e seus riscos

Armazenamento de um único Cilindro

Fixar o Cilindro com corrente.

Usar sempre capacete de segurança.

Em todas as situações, sempre a Política de Não Fumar.

proibido_fumarcilindro armazenamento

Armazenando uma “Baterias de Cilindros”

baterias de cilindrosSistema de Contato de Três Pontos
Todos cilindros estão em contato em três pontos – ou com outros cilindros ou com a parede.

 

 

Sistema de Contato de Três Pontos
Todos cilindros estão em contato com outros cilindros em três pontos.

The post Básico de como armazenar um cilindro de gás appeared first on Guias & Tutoriais DBC Oxigênio.

]]>
http://guias.oxigenio.com/basico-de-como-armazenar-um-cilindro-de-gas/feed 0
Sugestão básica do que se fazer numa emergência com Gaseshttp://guias.oxigenio.com/sugestao-basica-do-que-se-fazer-numa-emergencia-com-gases http://guias.oxigenio.com/sugestao-basica-do-que-se-fazer-numa-emergencia-com-gases#comments Mon, 07 Apr 2014 20:45:41 +0000 http://guias.oxigenio.com/?p=762 Contingências O2 Se acontecer… Eu faço Atenção: este esquema acima, é a sugestão básica, passada por qualquer fornecedor de gás ao seu cliente, estando a DBC Oxigênio isenta de qualquer responsabilidade, de como ela será aplicada. Sempre sugerimos, que converse com o seu fornecedor, que...

The post Sugestão básica do que se fazer numa emergência com Gases appeared first on Guias & Tutoriais DBC Oxigênio.

]]>
Contingências O2Se acontecer…Eu faço
  • Vazamento da válvula…
  • Verificar se o vazamento é na Gaxeta. Caso positivo, realizar o aperto com a chave de boca adequada;
  • Caso não for possível identificar o vazamento, ligar para o seu fornecedor e registrar a reclamação;
  • Identificar o cilindro com defeito;
  • Segregar para devolução.
  • Vazamento em cilindros de gases inflamáveis…
  • Removê-lo para uma área aberta e ventar;
  • Deixá-lo longe de qualquer fonte de ignição;
  • Ligar para seu fornecedor e registrar a reclamação;
  • Identificar o cilindro com defeito
  • Estourar a válvula de segurança…
  • Ligar para o seu fornecedor e registrar a reclamação;
  • Identificar o cilindro com defeito;
  • Segregar para devolução.
  • O cilindro tombar…
  • Não tente segurá-lo! O cilindro é muito pesado e causará lesões;
  • Se não ocorreu nenhum problema, levante com cuidado a partir do topo;
  • Ocorrendo vazamento, quebra da válvula ou outro problema, isole a área.
  • Incêndio…
  • Isolar a área;
  • Chamar o bombeiro de plantão na sua empresa.
  • Ligar para o seu Fornecedor.
  • Qualquer dúvida…
  • Ligar para o seu Fornecedor
Atenção: este esquema acima, é a sugestão básica, passada por qualquer fornecedor de gás ao seu cliente, estando a DBC Oxigênio isenta de qualquer responsabilidade, de como ela será aplicada. Sempre sugerimos, que converse com o seu fornecedor, que terá condições de lhe dar todas informações do que se fazer, considerando o gás que você está utilizando, em que situação e local.

The post Sugestão básica do que se fazer numa emergência com Gases appeared first on Guias & Tutoriais DBC Oxigênio.

]]>
http://guias.oxigenio.com/sugestao-basica-do-que-se-fazer-numa-emergencia-com-gases/feed 0
Identificando os Cilindros de Gaseshttp://guias.oxigenio.com/identificando-os-cilindros-de-gases http://guias.oxigenio.com/identificando-os-cilindros-de-gases#comments Mon, 07 Apr 2014 15:20:06 +0000 http://guias.oxigenio.com/?p=689 Identificação pelas Cores do Cilindro de acordo com o Gás Atenção: As cores referem-se à cor da calota dos cilindros e não do seu corpo.       Identificação Técnica dos Cilindros Identificação dos Cilindros/Gases pelas Etiquetas Identificando todas as informações dos produtos, características, periculosidades,...

The post Identificando os Cilindros de Gases appeared first on Guias & Tutoriais DBC Oxigênio.

]]>
Identificação pelas Cores do Cilindro de acordo com o Gás

identificacao cilindro
Atenção: As cores referem-se à cor da calota dos cilindros e não do seu corpo.

 

 

cilindro cores

padrao cores

 

Identificação Técnica dos Cilindros

cilindro corel

  • Especificação do Cilindro: DOT 3AA 2265
    DOT: Department of Transportation; 3AA: Tipo do material do cilindro;
    2265: pressão de trabalho em psi;
  • Número de série do cilindro;
  • Símbolo de registro do proprietário;
  • Data de fabricação (também denominado primeira data de teste hidrostático);
  • Identificação do Proprietário;
  • Data de validade do teste hidrostático Nota: esta data significa que o cilindro não pode ser ENCHIDO após esta data. A utilização está liberada.
  • Etiquetas de identificação do cilindro;
  • Marca de identificação da empresa que inspecionou o cilindro.

Identificação dos Cilindros/Gases pelas Etiquetas

Identificando todas as informações dos produtos, características, periculosidades, procedimentos de segurança, classificação ONU.

Etiquetas de identificação dos cilindros/gases
 etiqueta 1 etiqueta 2 etiqueta 3
 etiqueta 6 etiqueta 5 etiqueta 4

The post Identificando os Cilindros de Gases appeared first on Guias & Tutoriais DBC Oxigênio.

]]>
http://guias.oxigenio.com/identificando-os-cilindros-de-gases/feed 0